13 de abr de 2009

Cristian faz o gesto grosseiro e depois pede desculpas

Cristian faz o gesto grosseiro e depois pede desculpas

Com os vazios de sempre no Pacaembu quando se trata de clássicos, 32 mil torcedores presentes, logo aos 7 minutos Ronaldo deu um pisão desleal em André Dias e recebeu só o cartão amarelo, que ficou barato.

O Corinthians tinha a iniciativa do jogo, ao escalar três atacantes, e o São Paulo, com três zagueiros, tratava de esfriar os ânimos.

A primeira grande emoção do jogo aconteceu só aos 25, quando Jorge Wagner bateu falta pela direita sobre a área alvinegra, Miranda, num daqueles impedimentos que o bandeira, na dúvida, pode deixar seguir, empurrou Chicão e cabeceou para o fundo do gol: 1 a 0.

Nem bem se passaram três minutos, e Elias infiltrou-se pela área tricolor e tocou de biquinho para tirar qualquer chance de Rogério Ceni: 1 a 1.

Arouca se machucou e Joílson entrou em seu lugar.

Hernanes bateu escanteio, aos 44, Miranda subiu de novo, agora sem falta, cabeceou firme e, com Felipe sem ação, Elias apareceu na linha do gol para evitar o segundo são-paulino.

O primeiro tempo foi tenso, marcado, estudado, mas incomparavelmente menos emocionante que o jogo entre Santos e Palmeiras.

Aos 10 do segundo tempo, Ronaldo ficou cara a cara com Rogério Ceni e o goleiro evitou o gol certo.

Concomitantemente, o árbitro expulsou André Dias por um choque normal com Elias.

Em seguida, foi a vez de Rodrigo tirar o doce da boca de Ronaldo, que estava pronto para finalizar pelo gol.

Aos 15, embaixo da trave, Jorge Henrique conseguiu perder o gol em chute cruzado de Dentinho.

Joílson saiu, entrou Renato Silva para recompor a zaga.

Jorge Wagner, que havia errado o passe no lance da expulsão de André Dias, arriscou de longe quando poderia ter dado para Washington e obrigou Felipe a fazer boa defesa, porque a bola desviou em Chicão.

Aos 29, Douglas chutou de longe e Rogério Ceni ia levando mais um frango em sua recente série, o que só não aconteceu porque a bola largada foi à trave.

Dagoberto entrou no lugar de Washington aos 33.

E Rogério fez milagre três minutos depois num arremate de Elias, de dentro da área e com um monte de gente na frente dele.

O empate era ótimo para o tricolor e soava preocupante para o alvinegro, que tinha um a mais e teria de ganhar no Morumbi, no domingo que vem.

Mano Menezes tirou Elias e pôs Souza, sabe-se lá por quê. (Sabe-se. Elias pediu, explicou Mano depois do jogo).

E Rogério Ceni, que largou outra bola boba, parece viver uma fase infernal.

No último instante, Cristian roubou de Jorge Wagner,  pegou muito bem na bola e deu a vitória que o Corinthians buscou, num golaço redentor, que fez justiça ao que foi o jogo, embora ele tenha comemorado de maneira agressiva e provocadora, razão pela qual pediu desculpas, "de antemão", após a partida.

O São Paulo irá a Medellin no meio de semana, enquanto o Corinthians irá a Campo Grande.

 

Na hora que esse imbecil fez o gol já vi os dedos para a torcida do São Paulo. Isso não se faz, futebol envolve muita paixão e não reclamem depois de a violência tomar conta.

Cristian, cuidado, não se brinca com a paixão do torcedor.

Nenhum comentário: