26 de abr de 2005

Antropologia 20/04/2005

* Circularidade Cultural
- ver
O queijo e os Vermes de Carlo Ginzburg.
* Voltando ao estudo das cidades
- antigamente, a elite ia ao centro comprar.
- junto com o condomínio há a necessidade de se criar centros para essa elite consumista.
* Datas
- 1910/1940 - Sé/Patriarca - o centrão de São Paulo, tudo acontecia ali.
- 1960/1990 - Pulista/Faria Lima - serviços, economia. 1969 surge o Shopping Iguatemi. 1990 prolifera-se na Berrini as Empresas Globalizadas.
Proliferação da Centralidade, não há mais um centro, a cidade se expande, há mudanças no espaço, seguindo demanda populacional.
Mudanças em relação a: Trabalho, Moradia (condomínio), Consumo (shopping) e Circulação (conectar os espaços). A circulação é a modernidade, tem que circular pessoas e mercadorias.
* A Cidade é o feio, o bonito, o pobre, o rico, o que fede, o que não fede, a cidade é isso.
* Pessoa - Persona - do Grego - Máscara
* Indivíduo - Qualquer um.
* Ver Vigiar e Punir de Michel Foucault.

Comunicação e Cultura 25/04/2005

* A lógica Cultural do Capitalismo tardio
- baseado no livro Pós-Modernidade do Capitalismo Tardio. Ver Ernest Mandel. Revolições tecnológicas que ocorrem no capitalismo.
* estudo de Jameson enfoca os elementos do pós-modernismo.
1) falta de profundidade tanto teórica quanto na cultura da imagem.
2) enfraqucimento da historicidade tanto na esfera pública quanto nas formas de temporalidade privada.
3) um mero tipo de matiz (1. Combinação de cores diversas, nas pinturas, nos bordados, nos tecidos etc. 2. Cor viva, mimosa ou delicada. 3. Gradação de cor. 4. Colorido de estilo. 5. Diferença delicada entre coisas do mesmo gênero. 6. Opinião política.) emocional.
4) a profunda relação de tudo com a tecnologia.
5) mutações no espaço das construções.
* A identidade Cultural na Pós-Modernidade - Pontos de reflexão.
-Argumentos de Hall - "As identidades nacionais não são coisas com as quais nascemos mas são formadas e transformadas no interior da representação."
- Culturas nacionais como discurso.

Comunicação e Cultura 18/04/2005

* Identidade Cultural na Pós-Modernidade.
- identidade em questão
- nascimento e morte do sujeito moderno.
* século XIX - o homem perde a idéia de ser o centro de tudo.
* Desconstrução (descentrando)
- teóricos sustentam a fragmentação das identidades modernas.
* DESCENTRAÇÃO
1) refere-se às tradições do pensamento Marxista que deslocava qualquer noção de agência individual. " Os Homens fazem a história em condições que lhes são dadas."
2) deslocamento no pensamento acidental vem com a descoberta do inconsciente de Freud. Para Freud, nossos desejos, sexualidade, são formados a partir de processos simbólicos do inconsciente e tem uma lógica diferente da razão.
3) está ligada à linguistica de Ferdinand Saussure - a língua é um sistema social e não individual, ela pré-existe a nós.
4) encontra-se no trabalho do filósofo Michall Foucoult. Ver Genealogia do Sujeito Moderno. Destaca um novo tipo de poder.

14 de abr de 2005

Antropologia 13/04/2005

* A cidade segrega
- ver Tereza Caldeira
- estudo das CASAS
- enclaves privados/fortificados
* Companhia City + Light
- moradia + energia
- veja a história da expansão de São Paulo. Isso explica a desorganização da cidade, crescia para o lado onde essas empresas queriam. Tudo isso com o conhecimento do Poder Público, já que o próprio Poder Público era os empreendedores.
* anos 70 - surge algo novo. Condomínio de Luxo. Alto padrão. Final dos anos 70 surgem os condomínios verticais. Comparando com os Estados Unidos, de onde importaram a idéia, lá não tem muros, aqui é diferente, além dos muros o acesso é restrito.
* Localização
- Estados Unidos - subúrbio
- Brasil (São Paulo) - centro
* CASA - o que é isso?
- espaço físico + representações
* arquitetura moderna - Brasília, única cidade do mundo planejada. Na União Soviética houve alguns experimentos e só, não se consegiu colocar em prática. Hoje Brasília sofre dos mesmos problemas das grandes cidades, é o brasileiro modificando Brasília
.

11 de abr de 2005

Antropologia 06/04/2005

* estruturalismo - o modo como opera o pensamento. O ser humano pensa, não importa onde quer que esteja.
* 1962 - o pensamento selvagem
* um acontecimento vira um evento - os homens fazem história sem saber que fazem. Ver IANI, Octavio - As ciências sociais na época da globalização.
* DEVELOP-MAN - desenvolvimento do homem.
DEVELOPMENT - desenvolvimento
* É preciso mudar para que tudo continue como está
* Da Mudança Cultural à Cultura na Metrópole
- José Guilherme Magnani - colapsos, problemas, caos, desordem. A cidade é essa COISA, tudo ao mesmo tempo. Para entender somente com o olhar antropológico, olhar de perto e de dentro.

Antropologia 30/03/2005

* Preocupação Racial - UNESCO encomenda uma pesquisa sobre o Brasil. Um país para todos, onde todos viviam em harmonia.
* Elite Paulista - depois da revolução de 1932, articulam-se para conseguir poder, como não tinham mais o Poder Político, querem o Poder Educacional, para isso são necessários filósofos, sociólogos e cientistas políticos.
* Diversidade enriquece
- sempre existe uma relação com o outro.
- diferença não é desigualdade. As diferenças são a locura da humanidade.
* O Filho Único - está menos ajustado às diferenças, não precisa discutir as relações.
* a diversidade cultural se dá no contato.
* o problema dos Direitos Humanos - alguém defina mas minha concepção é diferente do outro.
* Etnocentrismo - Disposição habitual de julgar povos ou grupos estrangeiros pelos padrões e práticas de sua própria cultura ou grupo étnico.
Todos os povos são etnocentricos, acham que estão corretos, que suas idéais são as melhores, isso acontece porquê todos são humanos.
O progresso não é contínuo nem linear. O objeto da antropologia é a diferença, a diversidade cultural.
Surge o dilema da Mudança Cultural. Ao mesmo tempo que a tendência é unir (globalização), as diferenças "pipocam" em todos os lados, é só lembrar da fúria das colônias contra as metrópoles, guerra civil é uma consequência. Descolonização.
* DIVERSIDADE X MUDANÇA
- revolta dos nativos - estão na história e fazem história.

Comunicação e Cultura 28/03/2005

* Comunicação
- raiz - MUNIS - estar encarregado de.
- prefixo - CO - reunião, atividade realizada conjuntamente.
- terminação - TIO - reforço, idéia de atividade.
Aparece pela primeira vez no vocabulário religioso, depois surge na idade média o Jantar Coletivo. É o Homem sempre pensando na comunicação, preocupado com ela, ainda sem as teorias.
* Gregos - sofistas - discruso.
- Platão - tinha o discurso que buscava a verdade
- Aristóteles - retórica (1. Conjunto de regras relativas à eloqüência. 2. Livro que contém essas regras. 3. Exibição de meios oratórios. 4. Afetação de eloqüência) como busca de todos os meios possíveis de persuasão.
* Primeira Guerra Mundial - os meios de comunicação são persuasores das vontades e dos sentimentos.
* em 1929 - crise e retomada econôminca.
* Segunda Guerra Mundial - expôs a potencialidade e alcance da comunicação através de programas com propaganda nazista. Os Estados Unidos usam isso e readaptam o modelo para interesse próprio. Ver Goebbles.
* As primeiras pesquisas de O que fazer com a Comunicação só surgem no século XX. Com o conhecimento da comunicação temos:
- urbanização.
- consolidação do capitalismo industrial.
- sociedade de consumo.
- divisão do globo entre capitalismo e socialismo.
- ciência.
* 1920 / 1930 - importantes correntes de estudos sobre a cultura da sociedade industrial e que exerceu influência nos estudos sobre os meios de comunicação, Escola de Frankfurt.
* Escola de Frankfurt - todos filósofos, pensadores que cunjugam idéias, nem sempre coerentes.
- dialética do iluminismo e indústria cultural.
- a obra de arte na era da técnica.
- cultura como mercadoria.
- Adorno cria o termo Indústria Cultural.

5 de abr de 2005

Karol Wojtyla

Lembro-me muito bem que o Papa não foi recebido pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso em sua última visita ao Brasil.
Marco Maciel foi enviado e o que vi na televisão foi uma das coisas mais desrespeitosas da minha vida. Um chefe de Estado (em pé) em seu discurso de boas vindas e o Presidente em exercício ao seu lado (sentado) quase dormindo, distante, sem prestar a mínima atenção. Aquela imagem me fez sentar na escrivaninha e escrever um artigo sobre o Papa na época, infelizmente não sei onde o guardei, não foi no meu micro, mas o dia que conseguir achar, eu volto aqui e coloco para todos vocês.
Mas já foi, perto de tantas coisas que aquele governo fez, não é nada, mas isso é uma outra história.
Agora é hora de falar do Papa.
Vai ser difícil existir no mundo, alguém com a popularidade Karol Wojtyla.
Sua comunicação com as massas era algo impressionante, conseguiu ser ouvido por todos, era conservador, mas a Igreja nunca mais foi a mesma depois Dele, percorreu o mundo e antes que alguém venha dizer que hoje é muito mais fácil para se fazer as viagens, digo a essas pessoas que sem a vontade e a força do Papa, nada disso teria acontecido. Tudo parece estar meio confuso agora, eu mesmo nunca fui um exemplo de católico, não costumo freqüentar as missas, mas o Papa me fez chorar de emoção quando desembarcou no Brasil pela última vez e de tristeza com a notícia de sua morte.A única coisa que desejo para o futuro Papa é boa sorte e que Deus esteja convosco, porquê Ele está no meio de nós.