4 de jun de 2009

Torcida única.

A Polícia Militar passou a madrugada inteira tentando reconhecer o jovem morto ontem, no confronto entre corintianos e vascaínos.
Oito feridos, dois graves, estão no hospital.
27 pessoas estão presas no DHPP,Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, sendo interrogadas, na tentativa de descobrir quem o matou.
O saldo horrível desse confronto poderia ser muito pior.
E por isso, o Ministério Público antecipa para o blog:
"Demos todas as chances do mundo.
Chega. Estou revoltado.
Eu e a promotoria do Estado.
São Paulo vai partir para a torcida única.
Jogos de rivalidades, decisivos.
Só uma torcida vai acompanhar.
Chega dessa barbárie."
A revelação foi feita pelo promotor público Paulo Castilho, em entrevista há 30 minutos.
O que a Promotoria de São Paulo vai fazer em relação ao que aconteceu ontem?
Eu estou chocado, triste, revoltado.
Há mais de três anos não morria nenhum torcedor em confronto aqui em São Paulo.
Chegou a hora de dar um basta.
A Promotoria tentou de todas as formas preservar duas torcidas em uma partida de futebol.
Mas, agora chega.
Quantos jovens mais precisam morrer.
O que aconteceu ontem foi horrível.
Agora que estamos tendo os detalhes.
Por favor, promotor, conte...
O que aconteceu foi que no Rio de Janeiro houve a morte de um corintiano.
Ele pertencia à Gaviões da Fiel, da sede que fica na rua São Jorge.
Os corintianos armaram uma tocaia para o revide.
a Ponte das Bandeiras eles esperaram a torcida vascaína.
Em um ônibus e três carros.
Todos os torcedores tinham barras de ferro e facas.
Dentro dos carros, havia os que carregavam revólveres.
E um deles estava com uma espingarda calibre 12.
Os corintianos cercaram o último ônibus de vascaínos.
Só que não contavam com a volta dos outros ônibus.
Eles vieram do Rio em 13 ônibus, 700 pessoas.
Imagine a barbárie que poderia ter acontecido.
E a PM?
A escolta dos vascaínos era de 20 soldados.
Foi impossível evitar o confronto.
O menino que morreu, provavelmente da torcida corintiana, foi largado na Marginal.
Desfigurado e apenas de cuecas.
Não há documento algum.
Ele foi massacrado.
Que pessoas são essas?
Não é mais possível permitir esses confrontos.
O que nós podemos fazer?
Mobilizar a Polícia de São Paulo inteira?
Não. Chega!
Fui contra o tempo todo, mas agora me rendo.
Uma torcida só e acabou!
E ainda te digo, Cosme.
A situação poderia ser ainda pior por outro motivo.
Qual? Ainda tem mais?
Tem.
A torcida do Vasco é 'irmã' da torcida do Palmeiras.
Houve o pedido formal para que junto com a Mancha Verde, os vascaínos fossem a pé para o Pacaembu.
Mais de 800 pessoas andando da Barra Funda ao Pacaembu.
E isso estava quase aprovado.
Eu fiz de tudo e consegui bloquear.
Imagine.
Quem iria conter a torcida corintiana diante desse desfile, dessa provocação?
Os torcedores não são donos da cidade.
Há uma inversão de valores.
E ela vai acabar de qualquer maneira.
O senhor acha que será simples impor a torcida única?
A sociedade terá de se mobilizar.
Eu preciso do apoio da opinião pública, jornalistas, comando da PM.
Governo.
Enfim, de todos os setores da sociedade.
Não é possível ficar mais de braços amarrados, esperando a aprovação de novas leis.
A situação chegou ao insuportável.
Você sabe que depois dessa morte antes do jogo, os corintianos se vingaram.
Queimaram um ônibus dos vascaínos.
Se não fosse a intervenção dos policiais tudo seria ainda pior.
Por mim, se for possível, já nesta final da Copa do Brasil, entre Corinthians e Internacional, torcida única.
Só colorados em Porto Alegre.
E só corintianos aqui no Pacaembu.
Vou fazer tudo para que isso aconteça.
Chega de vidas desperdiçadas!

Somos uma sociedade podre e pobre, pobre de espírito, pobre de valores e merecemos mesmo isso, TORCIDA ÚNICA JÁ!

Se a CBF ou até mesmo a Comebol fossem sérias isso não aconteceria, seríamos banidos de competições internacionais, mas isso é algo que tem mais relação com a educação do povo, aí vamos entrar em detalhes políticos e como todos sabem, não podemos esperar muito deles.

Nos ferramos, afinal, somos um bando de animais.

Nenhum comentário: