21 de fev de 2008

Thriller é relançado no Brasil

Direto da Rolling Stone Brasil.
A edição comemorativa de 25 anos do disco Thriller, de Michael Jackson, foi lançada ontem (quarta-feira, 20) no Brasil.
No dia 21 de fevereiro de 1983, 25 anos atrás, o álbum chegava ao primeiro lugar da lista dos mais vendidos nos EUA – o que seria a primeira de suas marcas históricas na indústria da música, culminando com o título de disco que mais vendeu na história – sem compilação oficial.
Cerca de dois meses depois de seu lançamento, o sexto álbum solo de Jackson alcançou o primeiro lugar de vendas nos Estados Unidos, e lá ficou por 37 semanas (não consecutivas). No top 10, foram 80 semanas. Dois recordes. E, além do disco como conjunto, sete de suas nove músicas foram lançadas como compactos e estiveram entre as dez mais dos Estados Unidos.
Em 1983, três músicas ficaram no topo da parada da Billboard: “Billy Jean”, “Beat It” e “The Girl is Mine”.

No Grammy, Jackson também foi arrebatador: recebeu 12 indicações, e levou para casa 8 estatuetas. Para comprovar sua excelência musical em diferentes ritmos, o cantor levou o prêmio de melhor performance vocal em três estilos: rock (“Beat It”), pop (“Thriller”) e R&B (“Billie Jean”). Além desses, voltou para casa com os prêmios de música do ano (“Beat it”), álbum do ano, produtores do ano (com Quincy Jones) e melhor gravação para crianças, no filme ET – O Extraterrestre.

“Thriller” virou também videoclipe, ou melhor, um curta-metragem de 14 minutos que rompeu com todos os padrões da produção da época: dirigido por John Landis, o vídeo foi protagonizado pelo próprio Michael, então com 24 anos. O cantor se fantasiou de monstro e dançou ao lado de zumbis em canais de televisão de todo o mundo. Os videoclipes nunca mais foram os mesmos.

Há uma semana nas prateleiras do Reino Unido e dos Estados Unidos, o “remake” de Thriller já figura nas paradas de ambos os países. O disco está em terceiro lugar na parada britânica, no entanto, a UK Charts, empresa que mede a venda de discos no Reino Unido, não divulgou quantas cópias saíram das lojas. Já nos EUA, a nova edição do álbum não conseguiu emplacar uma posição no top 200 da Billboard, mas as 166 mil cópias vendidas garantiram o primeiro lugar na categoria Top Pop Catalog Albums.

Isso não importa.
O que interessa é que nunca mais veremos algo como esse fenômeno.

Nenhum comentário: